Smart science to improve lives™
  • Contato
Crop Care

Pegada de carbono do produto: Uma ferramenta essencial para a descarbonização

Emissões e descarbonização

À medida que as indústrias químicas e de ciências da vida se empenham em reduzir suas emissões de gases de efeito estufa (GEE) e avançam na descarbonização, é fundamental fazer uma contabilidade precisa das emissões associadas aos produtos e serviços. Para desenvolver e implementar uma estratégia eficaz de descarbonização, as empresas precisam identificar áreas dentro de suas operações com altas emissões totais e áreas de alta intensidade de emissões (kg CO2 e por unidade de material ou atividade). Esses pontos críticos costumam ser nos locais onde as ações direcionadas de descarbonização podem ter o maior impacto contribuindo para atingir as metas da empresa e apoiar o objetivo do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a 1,5 °C.

Para ajudar a medir e avaliar as emissões de carbono, o protocolo de gases de efeito estufa (GHG) classifica as emissões em Scope 1, Scope 2 e Scope 3 (Figura 1). As emissões de Scope 1 são as emissões diretas de GHG provenientes de fontes de propriedade ou controladas pela entidade informante, como as emissões da queima de combustíveis fósseis, como o gás natural para aquecimento ou vapor. As emissões de Scope 2 são as emissões indiretas de GHG resultantes da geração de energia ou vapor comprados, como as emissões da produção de eletricidade comprada. As emissões de Scope 3 são todas as outras emissões indiretas que ocorrem na cadeia de valor da entidade informante e são divididas ainda mais em emissões a montante e a jusante. As emissões a montante de Scope 3 na indústria química geralmente resultam da extração e refino de matérias-primas e seu transporte, enquanto as emissões a jusante resultam do processamento, uso, descarte e fim de vida do produto.

Overview of GHG protocol scopes and emissions across the value chain

Figura 1. Visão geral dos escopos e emissões do protocolo de gases de efeito estufa (GEE) em toda a cadeia de valor 1

Num cenário ideal, as emissões de cada atividade seriam medidas diretamente no momento de sua liberação, mas isso não é realista nem prático. Como resultado, a maioria das empresas e plataformas de contabilidade de carbono depende de bancos de dados de fatores de emissão para traduzir uma atividade em suas emissões associadas. Esses fatores de emissão podem ser baseados em fatores econômicos ou provenientes de avaliações da análise do ciclo de vida (LCAs) que estudaram a atividade e analisaram as emissões médias associadas a ela a fim de produzir um fator de emissão (a média de kg CO2 emitidos por unidade de atividade), de modo que o uso de uma atividade por uma empresa seja multiplicado pelo fator de emissão relevante para calcular uma estimativa das emissões totais associadas a essa atividade.

A contabilização das emissões do Escopo 3 é um desafio significativo porque as atividades envolvidas estão fora da sua organização (e frequentemente fora da região geográfica). Como resultado, a visibilidade dos processos, matérias-primas e uso de energia é limitada. Quando uma análise de ciclo de vida relevante da indústria foi realizada para o produto, essa média pode ser usada para estimar as emissões associadas. No entanto, frequentemente análises de ciclo de vida robustas não estão disponíveis, e as empresas recorrem a estimativas com base em fatores econômicos ou baseados em gastos. Ao contrário dos fatores baseados em gastos, os dados médios da análise de ciclo de vida da indústria fornecem algumas informações sobre os “pontos críticos” de carbono para apoiar o desenvolvimento de planos de ação de descarbonização. No entanto, nenhuma das metodologias permite rastrear os impactos das ações de descarbonização dos fornecedores. Para isso, é necessário colaboração com os fornecedores e dados dos fornecedores, e é aí que entram as pegadas de carbono dos produtos.

 

Pegada de carbono do produto

A pegada de carbono de um produto (PCF) representa a quantidade total de gases de efeito estufa liberados durante o ciclo de vida de um produto específico. Geralmente, as pegadas de carbono dos produtos são calculadas desde o que é chamado de “berço até o portão”, ou seja, as emissões liberadas para a atmosfera desde a produção (ou extração) e processamento de matérias-primas até o ponto em que ele sai da fábrica. Se um fornecedor pode disponibilizar uma PCF, calcular suas emissões associadas a esse material comprado deve ser fácil, porém, nem todas as PCFs são iguais.

A Figura 2 retirada do Guia de Cálculo do Escopo 3 do Protocolo GHG mostra como os dados fornecidos pelos fornecedores, frequentemente, se baseiam em diferentes níveis de gastos ou dados médios, no qual os conjuntos de dados mais precisos são, geralmente, muito mais complexos.

GHG protocol illustration of data types used for different calculation methods of scope 3 emissionsFigura 2. Ilustração do protocolo GHG dos tipos de dados usados para diferentes métodos de cálculo das emissões do Escopo 3 2 

As PCFs que dependem exclusivamente de dados baseados em gastos e médias tendem a subestimar as emissões reais associadas podem oferecer uma visão menos confiável para a estratégia de descarbonização, enquanto que as PCFs calculadas apenas com métodos baseados em gastos oferecem uma visão geral das emissões totais aproximadas mesmo que possam levar a uma estratégia de descarbonização focada somente na redução de custos.

No entanto, os dados de PCF que se baseiam inteiramente em dados primários exigiriam visibilidade do uso real de energia, da fonte de energia e dos modos de transporte para cada estágio dos materiais usados na cadeia de suprimentos, algo que é raramente prático ou atingível.

A metodologia híbrida oferece um equilíbrio entre a utilização de dados primários robustos e uma compreensão aprofundada da complexa cadeia de suprimentos, garantindo confiança na identificação de pontos críticos de carbono e no acompanhamento do impacto das ações. Além disso, é pragmático incorporar dados baseados em gastos e médias quando necessário para complementar essas análises.

Além da qualidade e precisão dos dados usados para calcular as PCFs, o escopo e a metodologia também podem divergir. As diretrizes do protocolo GHG são amplamente aceitas e ajudam a definir quais atividades devem ser incluídas nos cálculos de PCF. No entanto, as categorias de emissões que uma entidade pode (ou escolhe) incluir em seus cálculos de PCF podem ser distintas.

Diretrizes do Together for Sustainability Product Carbon Footprint (PCF)

Atualmente, não há uma metodologia padrão única e melhores práticas estabelecidas para calcular as PCFs (pegadas de carbono de produtos), pois o escopo, a metodologia e a qualidade dos dados podem variar de forma mais significativa. Enquanto não atingirmos um consenso universal entre empresas e houver uma padronização na forma como as PCFs são calculadas, torna-se difícil compará-las de maneira confiável e precisa entre diferentes fontes, pois os níveis mais elevados de detalhe e precisão podem resultar em uma PCF mais alta, à medida que mais fatores são considerados de maneira mais precisa.

A Together for Sustainability (TfS) produziu diretrizes para calcular as Pegadas de Carbono de Produtos (PCF) adaptadas à indústria química buscando abordar essa questão. Essas diretrizes buscam alinhar como os PCFs são calculados e apresentados, seguindo as orientações do protocolo GHG e as normas ISO relevantes

A Together for Sustainability (TfS) desenvolveu diretrizes específicas para calcular as Pegadas de Carbono de Produtos (PCF) adaptadas à indústria química com o objetivo de abordar essa questão. Essas diretrizes visam harmonizar os métodos de cálculo e apresentação das PCFs, em conformidade com as orientações do protocolo GHG e as normas ISO pertinentes.

Principais pontos

As PCFs são fundamentais para promover uma descarbonização direcionada e eficaz tornando-se uma ferramenta indispensável nesse processo

  • A contabilização das emissões do Escopo 3 representa um desafio significativo, uma vez que as atividades envolvidas ocorrem fora da organização e muitas vezes em regiões geográficas distintas.
  • Dados específicos dos fornecedores são necessários para estimar com precisão as emissões do Escopo 3, identificar os pontos críticos de intensidade de carbono e acompanhar o impacto das ações de descarbonização na cadeia de suprimentos.
  • Quanto mais dados primários e específicos do fornecedor forem usados no cálculo da PCF, maior a probabilidade na precisão do resultado.

As PCFs não são facilmente comparáveis e o menor valor nem sempre é o melhor

  • É importante entender o método, o escopo e a qualidade dos dados de uma PCF antes de assumir que ela representa com precisão todas as emissões associadas.
  • Uma PCF que abrange desde a extração até a fábrica foca apenas nas emissões a montante. No entanto, é crucial considerar quaisquer benefícios de uso que possam reduzir as emissões a jusante. Os componentes da formulação têm o potencial de otimizar não apenas a fabricação, mas também o armazenamento, transporte, aplicação e desempenho do produto, impactando a sustentabilidade do produto final para além da PCF total de seus componentes.
  • A pegada de carbono reduzida nem sempre é sinônimo de maior sustentabilidade. É essencial avaliar, ponderar e comparar diversas áreas de impacto ambiental como em uma análise de ciclo de vida abrangente para entender, completamente, o perfil de sustentabilidade de diferentes materiais.

As PCFs não são números fixos

  • Se as PCFs são construídas com base em dados reais de produção, elas serão sempre retrospectivas e refletirão um período específico, geralmente abrangendo um ano calendário ou uma média móvel.
  • As PCFs oferecem uma visão geral das emissões associadas a um período específico, no entanto, elas estão sujeitas a mudanças à medida que a qualidade dos dados se aprimora, as práticas de fabricação se modificam e ações de descarbonização são implementadas.

Source 1 & 2: https://ghgprotocol.org/sites/default/files/2023-03/Scope3_Calculation_Guidance_0%5B1%5D.pdf

Infográfico da Jornada de Carbono da Croda Life Sciences

895,9 KB
Baixar

Pegada de carbono do produto (PCF)

Descubra o significado da Pegada de Carbono do Produto (PCF) para entender como as suas decisões de compra podem reduzir as emissões de dem reduzir as emissões de gases de efeito estufa e promover a sustentabilidade.

Disponível agora: Pegada de Carbono do Produto para os materiais da Croda